Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo

Artigo: Nova prorrogação dos acordos emergenciais trabalhistas

Foi publicado em 14/10/2020, o Decreto 10.517, que entra em vigor na data de sua publicação e prorroga novamente os prazos para os acordos de redução proporcional de jornada e de salário e de suspensão temporária do contrato de trabalho e o pagamento dos benefícios emergenciais previstos na Lei 14.020, de 06/07/2020.

A Lei 14.020, de 06/07/2020, dispõe que os prazos máximos para os acordos de redução proporcional de jornada e de salário e de suspensão temporária do contrato de trabalho é de 90 e de 60 dias, respectivamente, podendo ser adotados sucessivamente, desde que observado o prazo máximo de 90 dias.

O Decreto 10.422, de 13/07/2020, ampliou os prazos de vigência para mais 30 dias, no caso do acordo de redução proporcional de jornada de trabalho e de salário, e de mais 60 dias para os acordos de suspensão temporária do contrato de trabalho, de modo a completar o total de 120 dias.

O Decreto 10.470 de 24/08/2020, prorrogou novamente a vigência dos acordos emergenciais trabalhistas, bem como o pagamento dos benefícios emergenciais, de que tratam a Lei 14.020/20 e o Decreto 10.422/20, por mais 60 dias, de modo a completar o total de 180 dias, limitados à duração do estado de calamidade pública, ou seja, até 31/12/2020.

O Decreto 10.517/20 reitera disposições contidas no Decreto anterior e na Lei 14.020/20, no sentido de autorizar a suspensão do contrato de trabalho de forma fracionada, em períodos sucessivos ou intercalados e desde que não seja excedido o prazo máximo agora de 240 dias, bem como a regra de que os períodos de vigência dos acordos de suspensão do contrato de trabalho e de redução de jornada e de salário já utilizados até a data da publicação do Decreto 10.517, ou seja, até 14/10/2020, serão computados para fins de contagem dos limites máximos resultantes do acréscimo de prazos nele previstos.

Dispõe ainda o novo Decreto que o empregado com contrato de trabalho intermitente, formalizado até 1º/04/2020, fará jus ao benefícios emergencial mensal no valor de R$ 600,00, pelo período adicional de 2 meses, contado da data de encerramento do período total de 6 meses previsto no artigo 18 da Lei 14.020, artigo 6º do Decreto 10.422/20 e artigo 5º, do Decreto 10.470/20.

Quanto a concessão e pagamento do benefício emergencial, de que tratam os artigos 5º e 18, da Lei 14.020/20, observadas as prorrogações de prazo prevista no Decreto 10.422/20 e no Decreto 10.470/20, ficam condicionados às disponibilidades orçamentárias e à duração do estado de calamidade pública.

Narciso Figueirôa Junior é assessor jurídico da FETCESP